quinta-feira, 31 de maio de 2012

Não sou Shakespeare mas quero tentar.

Do meu peito nasce flor
Pra colorir o caminho quando meu amor passar.
Lá vem ela dançando um samba
Uma cantiga sobre terminar.
Pobre da minha flor
Flor bela; Que existia só por ela
Se esvaiu em dor.

Num Pôr de sol alaranjado
Escutei alguém dizer:
- Vem cá meu bem... Você ainda há de florescer!
Era a menina da quitanda. A tal Mari Juana. Olhos verdes, verdade nos olhos.
- Mamãe eu vou casar! - Não hesitei ao comunicar.

Em plena feira de pastel
Eu com Mari Juana,
Mari Juana em mim
- OH, você fica linda com esse véu!
Peguei em tua mão, para meu lábio encostar
- NÃÃÃÃÃÃO FAÇA ISSO!
Era o lapso do meu primeiro amor
Com sangue nos olhos,
Pôs-se a chorar.

Hoje a tarde é cinza
O poema brega
Aquela flor que era colorida
Que se esvaiu em dor
Que pertence ao meu peito
Que floresceu novamente
tem algo a dizer: DÊ-ME UM MOMENTO!
Ela ainda é bela
Aroma de Jasmim
Não quer magoar a moça do samba nem a Juanita lábio de carmim.

Doce seria a vida
Se o amor não doesse em ninguém
Mas aí teria outro nome:
Baile de máscaras
Sem amor
Sem ferida
Pausa dramática: Felicidade adormecida.

11 comentários:

  1. Pois é... se o amor não doesse... será que seríamos mais felizes?
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. "Felicidade adormecida".
    Senti uma mistura de Tempestade emocional do Jeneci e Sambinha bom da Mallu. Ambos, não tem nada á ver, mas eu gostei.
    "Doce seria a vida, se o amor não doesse." Talvez se não doesse nunca aprenderíamos a dar valor a tal sentimento. Se bem que, há tantos que já sofreram e passaram sem aprender nada. Uma incógnita, mas eu fico ao lado do amor com dor, deve ser o costume. Se é que conseguiu me compreender.
    Dor faz parte. Chorar sangue. Um coração grande se tornar pequeno e palpável.
    A sorte nossa é que nem toda dor é eterna (acho eu).
    Beijos Lê, obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  3. CARAAAAAAACAAAAAAA... PERFEITO!! AMEI

    ResponderExcluir
  4. Gente do céu, to boba. Letícia é que nem vinho, melhora com o tempo, como é bom de se ler, como é bonito. Como é bom ter suas palavras pra confortar, você é uma linda e aqui é um canto meu sua boba, amei esse em especial, é lindo como o coração da gente faz com que as palavras se encaixem. Não sei se o fato é verídico, mas espero que todos os amores saibam que amar é bom e quem amar e como amar. amor doi, mas é uma dor que transforma tristeza em versos né? Que bela contribuição.

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto - sem palavras.

    Amei também o poema que colocou no meu blog.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Não. Discordo. O amor não deveria doer.Deveria ser pleno e estar sempre ligada à felicidade. Mas, claro que estou sendo sonhadora. Seria, no mínimo, utópico. =/
    Emilie Escreve

    ResponderExcluir
  7. Contorno de uma história, revestida em um poema de prosa e verso. Mas bem, como não gostar das suas escritas? Estive com saudades de ler.

    Só agora tive tempo de vir aqui. Te agradecer pelo elogio do sorriso. Obrigada, você é uma fofa! Um beijo, Ana.

    ResponderExcluir
  8. No baile de máscaras da vida real
    há colombinas, pierrots e fakes.

    ResponderExcluir
  9. há tanta poesia nos seus poemas...
    são muito bonitos. fico imaginando se já fizeram a proposta pra publicação deles...
    Abstrações

    ResponderExcluir
  10. Um lindo poema, senti uma nostalgia imensa!

    Um grande beijo,

    Pedro.

    ResponderExcluir
  11. A gaveta aberta
    o poema revelado
    verso de um tempo de luz
    antes da gaveta fechada
    sol completamente acordado
    o verso ainda era uma enigma
    crepúsculo ainda não havia chegado

    poema mui belo

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir