segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Inconstante


Característica humana desprovida de raciocínio emocional,
Rápido e intenso como raios em tempestades repentinas:
Ato cometido
Arrependimento imediato.
O choro que te afoga é o fruto da tua imaturidade plena e pesada
Que te afunda num mar negro,
Que ofusca o brilho que em você jaz.


Lamentável.

17 comentários:

  1. Chora que alivia o arrependimento... humanos... sempre assim hehehe

    ResponderExcluir
  2. Então Letícia... A voz seria ou de uma pessoa ou um anjo, ambas se misturam e acabam se tornando uma só, às vezes. :)
    Sobre seu texto, o ser humano poderia ser constante por mais tempo, não é? Mas às vezes isso dura tão pouco...

    ResponderExcluir
  3. Mais uma poesia profunda, me afogo nas suas palavras isso sim. Com os erros vem os acertos e os desentendimentos, ou não.

    ResponderExcluir
  4. Inconstante... A incrível capacidade de lhe fazer querer mudar... Inacreditável!

    ResponderExcluir
  5. Suas poesias são lindas, você escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  6. Excelente...tem toda razão e, realmente, lamentável!

    []s

    ResponderExcluir
  7. Tão lamentável quanto involuntário, linda a tua poesia, como sempre, toda vez que entro aqui sinto uma sensação de leveza, é muito bom.
    Ah, Letícia, outra vez você me pediu lá no blog que eu te indicasse uns livros, quais gêneros te interessam? Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Oi Lê, garota das poesias. O choro que te afoga está no fim. Está chegando a hora do amanhecer. Até lá, seja forte. Gosto de suas palavras.
    Um beijo, @lovlovemedo.

    ResponderExcluir
  9. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderExcluir
  10. No fundo do mar negro
    o brilho é minha lápide.

    ResponderExcluir
  11. Hola Leticia, tienes encantador espacio.
    feliz semana.
    un abrazo.

    ResponderExcluir
  12. É uma pena, pois ainda havia brilho...

    bjs

    ResponderExcluir
  13. Ai essa inconstância de ser é um tormento cheio de porquês.
    Belas palavras!

    ResponderExcluir